Politica

Cientistas temem que o Bolsonaro destrua a floresta amazônica

O Brasil já elegeu seu novo presidente para o próximo ano. Jair Bolsonaro, venceu as eleições presidenciáveis com 55,13% dos votos válidos, contra 44,87% de seu oponente, Fernando Haddad (PT).

Bolsonaro, que tem sido chamado de “Trump dos Tropicais”, terá uma grande missão de controlar e preservar a Amazônia, a maior floresta tropical da Terra e um dos maiores tesouros do país. Mas muitos Cientistas ao redor do mundo, estão com medo do futuro da floresta.

Christian Poirier, diretor do programa Amazon Watch, criado para proteger a floresta tropical e promover os direitos dos povos indígenas na Bacia Amazônica, disse em um comunicado após a eleição de Bolsonaro.

“Seus planos imprudentes de industrializar a Amazônia em conjunto com os setores de agronegócio e mineração brasileiros e internacionais trarão uma destruição incalculável à maior floresta tropical do planeta e às comunidades que a chamam de lar e significam desastre para o clima global”, afirmou.

Poirier não é o único que está preocupado.

“Acho que estamos nos encaminhando para um período muito sombrio na história do Brasil”, disse Paulo Artaxo, pesquisador da Universidade de São Paulo, Brasil, à Revista Science . “… Bolsonaro é a pior coisa que pode acontecer para o meio ambiente”, afirmou o pesquisador.

Genevieve Guenther, que fundou a EndClimateSilence.org, disse no Twitter que a eleição de Bolsonaro “garante que o Brasil não fará nada para conter a emissão de poluentes e incontáveis ​​hectares da floresta amazônica serão destruídos”, enquanto o meteorologista Eric Holthaus argumentou que um esquema de privatização florestal que o novo presidente tem em mente é essencialmente “suicídio planetário”.

Outros cientistas, como Jess Phoenix , vulcanologista que disputou uma corrida primária democrata no sul da Califórnia durante o verão, concordaram.

Alguns indígenas que vivem na floresta disseram temer que mais madeireiros e exploradores de minérios possam se dirigir até seus lares.

“Estamos com muito medo. Temo pela minha própria vida”, disse Dinaman Tuxa, coordenadora nacional da Associação dos Povos Indígenas do Brasil, em entrevista ao Brasil de Fato , acrescentando que Bolsonaro “institucionalizaria o genocídio”.

Christopher Dick, especialista em plantas tropicais da Universidade de Michigan, disse no Twitter que, se Bolsonaro “mantiver sua retórica, podemos esperar genocídio tribal, tortura de dissidentes e destruição da floresta amazônica que altera o clima”.

“Este é um cenário de pesadelo”, acrescentou. “Espero estar errado.”

O pulmão Amazônia

A Amazônia abrange 5,4 milhões de quilômetros quadrados, é muitas vezes referida como “pulmões do planeta”, as plantas da floresta sugam o dióxido de carbono da atmosfera, usam o carbono para crescer e liberam oxigênio de volta ao ar.

Cientistas estimaram que a Amazônia pode abrigar um sexto do carbono armazenado na vegetação em todo o mundo. Especialistas em meio ambiente argumentam que esse sistema de sucção de carbono é uma das melhores soluções que temos para as mudanças climáticas.

“Temos de retirar o dióxido de carbono basicamente da atmosfera para evitar um aumento muito perigoso da temperatura e grandes aumentos nas inundações, tempestades severas e ondas de calor”, disse Doug Boucher, conselheiro científico da Union of Concerned Scientists. disse à revista Grist no início deste mês .

“A melhor maneira de retirar dióxido de carbono da atmosfera é preservar e reconstruir as florestas”.

Embora a Amazônia seja a floresta mais diversificada do planeta , os cientistas dizem que menos de 0,5% de suas espécies de plantas florescentes foram estudadas por seu potencial medicinal , de acordo com o WWF .

Desmatamento da Amazônia

Pesquisadores do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) concluíram que o desmatamento na Amazônia aumentou 40% nos últimos 12 meses. Segundo o instituto, o desmatamento aumentou 39% em relação ao período anterior.

Um novo relatório condenatório divulgado pela revista  World Wild Life revelou que “um quinto da Amazônia desapareceu em apenas 50 anos”.

Este artigo foi originalmente publicado pela Business Insider .

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top