Notícias

Fim do tratado da Guerra Fria entre EUA e Rússia, e agora?

Desarmamento nuclear proposto entre países durante a Guerra Fria chega ao fim neste dia 02/08

tratado nuclear INF guerra fria chega ao fim

O Tratado Nuclear INF que foi assinado nos últimos anos da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a Rússia se encerra nesta sexta-feira (02/08) e levanta um novo temor sobre uma nova corrida armamentista entre as duas maiores potências militares do mundo.

O tratado INF assinado por Ronald Reagan (EUA) e Mikhail Gorbachev (União Soviética), determinava o desarmamento nuclear em ambas as potências. O comunicado oficial dos Estados Unidos, veio através de Mike Pompeo, secretário de Estado americano, durante um fórum em Bangcoc.

A decisão ocorreu logo após a Rússia ter determinado o fim do tratado, sob a acusação de violar o texto sobre o sistema de mísseis 9M729. Então para os americanos, a Rússia é a única responsável pelo fim do tratado nuclear.

9M729

O míssil responsável por colocar um fim ao INF é o novíssimo 9M729, que tem um alcance de 1.5 mil quilômetros. Mas essa informação é proveniente da Otan (Organização do Atlântico Norte), onde a Rússia cita que este míssil só tem capacidade de percorrer 480 quilômetros.

Em decorrência disso, no último mês de fevereiro, Washington suspendeu sua participação no tratado, onde Moscou que se diz inocente no caso, também acabou suspendendo sua participação.

Tratado Nuclear entre Rússia e Estados Unidos

O INF foi assinado por Ronald Reagan e Mikhail Gorbachev no mês de dezembro de 1987. Ele determinava o fim do uso e desenvolvimento de mísseis com alcance entre 500 e 5.500km. Portando acabou colocando um fim com relação aos mísseis europeus da década de 1980, que contavam com ogivas nucleares SS-20 soviéticas, que seriam direcionadas à capitais ocidentais.

Nova guerra fria e corrida armamentista

O fim do tratado já coloca na “mesa” uma possível nova guerra fria e corrida armamentista, levando inclusive o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a mencionar que a organização não deseja uma nova corrida armamentista e que novos mísseis nucleares terrestres não precisam estar presentes na Europa. O comunicado ocorreu em Bruxelas, durante uma coletiva de imprensa.

É fato de que há sim a possibilidade do direcionamento de recursos para o desenvolvimento militar com maior intensidade em ambos os países e isso preocupa as autoridades mundiais.

Tratado START

Outra preocupação é com relação ao Tratado START, que foi assinado em 2010 sob os governos de Barack Obama e Dimitri Medvedev, mantendo os arsenais nucleares de ambos os países abaixo dos da época da Guerra Fria.

Washington e Moscou colocaram um prazo de sete anos para reduzir em 30% os seus arsenais. Hoje cada um conta com 2.200 ogivas cadastradas, porém o Tratado Start determina que cada um dos países tenha no máximo 1.550 ogivas nucleares.

Mas a preocupação é que o tratado termina em 2021 e ao que tudo indica não haverá uma renovação. Inclusive a China acabou rejeitando o pedido dos EUA para integra-lo durante uma possível renovação.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top