News

Seu celular está te espiando graças ao Facebook

Graças ao Facebook, operadoras e fabricantes de celular sabem tudo o que você está fazendo.

As operadoras de telefonia e fabricantes de aparelhos móveis no Brasil e no mundo, são as empresas que mais contam com tecnologias inteligentíssimas quando o assunto é monitoramento. Como hoje mantemos um contato constante com o aparelho, elas e também diversos aplicativos, sabem exatamente as suas preferências e quais são as tendências de mercado.

Mas porque estamos tocando neste assunto? Hoje saiu um matéria americana sobre o vazamento de um documento confidencial do Facebook, que revelou que as operadoras juntamente com os fabricantes de celulares, números que chegam a mais de 100 empresas em 50 diferentes países, são responsáveis por oferecer o uso de dados através de informações que são obtidas através do Facebook de ações em seu smartphone.

Entre os dados recolhidos e preferências, o documento aponta que a rede social não só armazena informações técnicas dos membros do Facebook, mas também das redes Wi-Fi que foram utilizadas, dos aparelhos, locais visitados, pontos de interesse e também os seus grupos sociais. Além dos principais aplicativos iOS e Android, o Messenger e Instagram, também pertencente ao Facebook, fazem todo este monitoramento.

Os dados comercializados pelo Facebook, ajudam ao parceiros a avaliar sua posição frente aos concorrentes, quantidade de clientes ganhos ou perdidos e direcionamento de marketing para todos os segmentos. A comercialização destas informações pode ajudar diretamente o uso quando o principal objetivo é rastrear clientes que garantem uma conversão de quase 100% na maioria dos casos.

Porém a utilização confronta com uma lei federal americana, que é responsável por regularizar as avaliações de crédito.

Facebook

O Facebook acabou se manifestando sobre o caso e disse que não fornece tais serviços e também que não comercializa os dados às operadoras e fabricantes de celulares. Mas admite que os dados básicos são sim coletados, para uso em situações que são permitidas pelas leis atuais nos EUA e no mundo.

Parcerias de vigilância

É preocupante estas parcerias pois já há um amplo poder de vigilância por parte de operadoras americanas como a AT&T e T-Mobile, onde assim como o seu provedor de internet sabe exatamente os dados de suas pesquisas, as empresas de telecomunicações saltam a frente quando o assunto é vigilância, pois são capazes de coletar informações de quando, como e onde o seu celular está sendo usado.

A AT&T inclusive colocou em sua política de privacidade que realiza o armazenamento de informações sobre todos os aplicativos móveis utilizados na rede da empresa, bem como todos os sites que são visitados. Há também indícios de que existe um monitoramento sobre chamadas e mensagens de textos, ou seja, tudo em seu smartphone está sendo vigiado.

Diante de tais fatos, quem é que garante que Oi, Tim, Claro, Vivo e outras empresas de telefonia no Brasil também não estejam nos monitorando e comprando dados do Facebook? Parece uma história de “Teoria da Conspiração” mas bem sabemos que pode ser verdade.

Actionable Insights Facebook

Você pode até pensar que o monitoramento continuo não seja capaz de estimular negócios nos dias atuais. Porém até pouco tempo atrás segundo especialistas o poder de “observação” das grandes empresas influenciava nas grandes operações. Mas com o tempo os dados coletados foram insuficientes, principalmente pela grande remessa de cidadãos que não estão conectados, então foi aí que surgiu o programa corporativo de compartilhamento de dados conhecido como Actionable Insights do Facebook.

Ele prevê que mesmo toda a visibilidade das empresas de telecomunicações não são suficientes para engajar uma marca, por exemplo. Foi aí que surgiu o Actionable, que inicialmente aparentava ser apenas um projeto para melhorar a qualidade e desempenho das conectividades existentes, mas que no fundo visa incluir a parte da sociedade que sofre com o desempenho dos aparelhos e assim possam coletar informações mais precisas.

É claro que tudo isso é com base no artigo americano. Ele ainda cita que ninguém iria contra um programa que está disposto a melhorar o acesso a quem possui uma conexão ruim ou até mesmo conectar os desconectados.

O Actionable Insights foi desenvolvido para possibilitar uma melhor tomada de decisão quando o assunto é negócios. Essas decisões são tomadas com base nas “ferramentas de análises” do programa. Porém segundo fontes, o segredo da ferramenta não está apenas no “conserto” de conexões ruins, mas sim na ajuda para que corporações possam usar os dados para direcionar uma publicidade exclusiva e certeira.

O programa do Facebook segundo a fonte americana foi oferecido para as operadoras e fabricantes de celulares gratuitamente. Com esse “bônus” a rede social mantém as relações de publicidade, pois além de oferecer dados para as companhias, as mesmas acabam ficando presas ao único sistema capaz de oferecer tais dados.

O Facebook é uma máquina de publicidade. Não é a toa que é a maior rede social do mundo. O marketing acabou se tornando a marca registrada de seus negócios, cercada de métricas e todo um mundo “obscuro” de dados dos quais nem sabemos que estão sendo captados.

A matéria cita que o Facebook não está vendendo os dados de seus usuários através do Actionable Insights, porém há todo um relacionamento sendo criado com grandes empresas, que acabam investindo em publicidade dentro da plataforma para direcionar seus produtos. E isto certamente torna um sistema que precisa ser melhor avaliado.

Em contra partida, nenhum usuário é obrigado a fazer parte do Facebook, assim toda essa coleta de dados poderia ser simplesmente evitada. Mas quem não está no Facebook, Instagram, WhatsApp e outros aplicativos, acabam se sentindo “fora” do mundo atual. As coisas estão se afunilando.

Confira toda a matéria: https://theintercept.com/2019/05/20/facebook-data-phone-carriers-ads-credit-score/

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top