News

Reino Unido analisa resposta à crise do Irã com poucas opções

A Grã-Bretanha analisou no domingo os próximos passos da crise no Golfo Pérsico, com poucas opções aparentes, após um registro mostrando que o Exército iraniano desafiou um navio de guerra britânico e embarcou e capturou um petroleiro três dias atrás.

O posicionamento do Reino Unido em relação à crise com o Irã

Mas ele deu poucas pistas sobre como pretende responder depois que a Guarda Revolucionária iraniana desceu dos helicópteros e capturou a Stena Impero no Estreito de Hormuz na sexta-feira, em uma aparente represália pela captura britânica de um petroleiro iraniano duas semanas antes.

Imagens obtidas pela Reuters de uma agência de notícias iraniana no domingo mostram que o petroleiro atracou em um porto no Irã, agora com bandeiras da República Islâmica.

O governo britânico anunciaria suas próximas medidas na segunda-feira em uma apresentação ao parlamento. Mas especialistas na região dizem que há poucos passos óbvios que Londres pode adotar em um momento em que os Estados Unidos já impuseram o máximo possível de sanções econômicas, proibindo todas as exportações de petróleo iranianas no mundo.

“Não vejo neste momento que podemos oferecer uma concessão que possa resolver a crise. Proporcionar segurança e escoltar futuros navios é uma questão diferente ”, disse Tim Ripley, um especialista britânico em defesa que escreve sobre o Golfo Pérsico no Jane’s Defence Weekly.

Um dia depois de qualificar a captura como um “ato hostil”, altos funcionários britânicos permaneceram relativamente calmos no domingo, deixando claro que ainda precisavam obter uma resposta.

“Vamos ver várias opções”, disse o ministro da Defesa, Tobias Ellwood, à Sky News. “Vamos conversar com nossos colegas, nossos aliados internacionais para ver o que podemos realmente fazer.”

“Nossa primeira e mais importante responsabilidade é garantir que tenhamos uma solução para o problema relacionado ao navio atual, certificando-nos de que outros navios com bandeira britânica estejam seguros para operar nessas águas e depois ver o quadro maior”, acrescentou.

A captura iraniana do navio na via marítima mais importante do comércio mundial de petróleo foi a última escalada de três meses de uma espiral de confrontos com o Ocidente que começou quando novas e mais duras sanções dos Estados Unidos entraram em vigor no início de maio.

A visão dos demais países europeus

Países europeus, incluindo a Grã-Bretanha, foram apanhados no meio. Eles não concordaram com a decisão de Washington de se retirar do acordo nuclear, mas até agora não conseguiram oferecer ao Irã outra maneira de receber os benefícios econômicos prometidos pelo pacto.

Londres entrou no confronto mais diretamente em 4 de julho, quando os marines reais capturaram um petroleiro iraniano na costa de Gibraltar. A Grã-Bretanha acusou-o de violar sanções à Síria, o que gerou repetidas ameaças de represálias por parte do Irã.

Fonte:Reuters Latin America

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top