News

China diz que vai congelar empresas norte-americanas que vendem armas para Taiwan

O governo chinês e empresas vão cortar os laços comerciais com as empresas norte-americanas que vendem armas a Taiwan, disse o Ministério das Relações Exteriores da China nesta segunda-feira, recusando-se a fornecer detalhes das sanções, o que provavelmente piorará as relações já danificadas.

Aumento da tensão em Taiwan

A China reivindica Taiwan – que tem seu próprio governo e um sistema democrático – como seu próprio território e nunca renunciou ao uso da força para colocá-la sob o controle de Pequim. A China regularmente considera Taiwan a questão mais sensível em suas relações com os Estados Unidos.

Na semana passada, o Pentágono disse que o Departamento de Estado dos EUA aprovou a venda de armas solicitadas por Taiwan, incluindo 108 tanques M1A2T Abrams da General Dynamics e 250 mísseis Stinger, fabricados pela Raytheon.

A China disse na sexta-feira que sancionará as empresas norte-americanas que vendem armas para Taiwan, mas não forneceu mais detalhes.

O último acordo envolve US $ 2,2 bilhões em tanques, mísseis e equipamentos relacionados para Taiwan.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse que a venda de armas foi uma violação das leis internacionais e prejudicou a soberania e a segurança nacional da China.

“O governo chinês e as empresas chinesas não vão cooperar ou ter contatos comerciais com essas empresas americanas”, disse ele em entrevista coletiva diária.

“Eu não posso revelar os detalhes neste momento. Mas acredite em mim, os chineses sempre dão muita importância para manter sua palavra ”.

No domingo, o jornal oficial do Partido Comunista no poder, o Diário do Povo, publicou um artigo em sua conta do WeChat, identificando empresas norte-americanas que poderiam estar expostas a sanções. Entre eles estavam a Honeywell International Inc, que fabrica os motores para os tanques Abrams, e a fabricante de jatos particulares Gulfstream Aerospace, que é de propriedade da General Dynamics. A China é um mercado importante para a Honeywell e a Gulfstream.

As empresas não responderam aos pedidos de comentários.

Fonte:Reuters Latin America

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top