Famosos

Lady Gaga retira sua música em parceria com R.Kelly dos serviços de streaming

(Por Variety) Assim como ela prometeu, a colaboração de Lady Gaga com R. Kelly foi removida dos serviços de streaming. A música, “Do What U Want”, foi removida aproximadamente 18 horas depois que Gaga twittou seu pedido de desculpas por trabalhar com Kelly, que foi acusado de má conduta sexual por várias mulheres, como apresentado no documentário da semana passada “Surviving R”. Kelly.

Os vídeos oficiais da música de 2013 também foram removidos do YouTube, embora a performance provocativa do American Music Awards naquele ano, que acenou para as relações sexuais de Marilyn Monroe com o presidente John F. Kennedy (foto acima), permaneça; esse clipe é propriedade da ABC, que transmitiu o programa, e não da gravadora da Gaga, a Interscope Records.

“Eu estou apoiando essas mulheres em 1000%, acredite nelas, saiba que elas estão sofrendo e sentindo dor e que elas devem ser ouvidas e levadas a sério”, escreveu Gaga. “O que eu estou ouvindo sobre as alegações contra R Kelly é absolutamente horripilante e indefensável. Como vítima de agressão sexual, eu fiz as músicas e o vídeo em um momento sombrio da minha vida, minha intenção era criar algo extremamente desafiador e provocativo porque eu estava com raiva e ainda não tinha processado o trauma que havia ocorrido na minha vida. própria vida. ”.

“Do What U Want” entrou no Top 20 do iTunes no tempo entre o tweet de Gaga e a remoção da música, embora as vendas de downloads tenham despencado na sequência da ascensão do streaming e uma música possa subir rapidamente no gráfico; os dados de streaming não estavam disponíveis no momento da impressão.

Em setembro de 2015, Gaga lançou “Til It Happens to You”, a canção indicada ao Oscar para “The Hunting Ground”, um documentário sobre agressões sexuais em campi universitários. Relacionando a colaboração de Kelly com sua própria experiência, Gaga escreve: “Eu acho que está claro o quão explicitamente distorcido meu pensamento era na época. Se eu pudesse voltar e ter uma conversa com o meu eu mais novo, eu diria a ela para passar pela terapia que eu tenho desde então, para que eu pudesse entender o estado pós-traumático confuso em que eu estava – ou se a terapia não estivesse disponível para mim ou qualquer outra pessoa na minha situação, para procurar ajuda e falar aberta e honestamente quanto possível sobre o que passamos. Eu não posso voltar, mas posso seguir em frente e continuar a apoiar mulheres, homens e pessoas de todas as identidades sexuais e de todas as raças que são vítimas de agressão sexual. ”

De acordo com a Lifetime, “Surviving R. Kelly” foi assistido por uma média de 2,1 milhões de espectadores, levando em conta as classificações Nielsen ao vivo e no mesmo dia.

A série, que incluiu entrevistas com a fundadora do #MeToo e ativista de direitos civis Tarana Burke, o músico John Legend e outros, documenta as décadas de alegações de abuso sexual contra o artista de R & B. Ele foi ao ar em três noites, começando na quinta-feira, 3 de janeiro, terminando no sábado, 5 de janeiro.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top