Entretenimento

Legend of Zelda: criador de Castlevania está dialogando para trazer clássico da Nintendo para a Netflix

(Por The Independent)

Adi Shankar, o showrunner de Castlevania, entrou em conversações com a Netflix para produzir uma série de TV baseada na série de videogames The Legend of Zelda.

Shankar já twittou que estava “trabalhando com uma empresa de jogos japonesa icônica para adaptar uma de suas icônicas séries de videogames em uma série”.

O Wrap, desde então, confirmou que o produtor espera trazer a longa série da Nintendo para o serviço de streaming.

A Netflix já produz o Castlevania de Shankar, um programa de animação baseado no jogo de mesmo nome, cuja segunda temporada foi lançada na sexta-feira (26 de outubro).

Ele que anteriormente atuou como produtor executivo de The Gray, Lone Survivor, e Dredd – também lançou os gigantes da mídia um filme de TV baseado na série de videogame Assassin’s Creed.

The Legend of Zelda, que segue o guerreiro Link enquanto ele tenta salvar a Princesa Zelda do malvado Ganon, tem sido um ponto forte nos consoles da Nintendo desde a série lançada em 1986 no NES (Nintendo Entertainment System). O mais recente jogo de Zelda foi lançado no Switch no ano passado e recebeu críticas positivas dos críticos.

Mais de The Legend of Zelda

Se você pré-encomendou um Nintendo Switch, provavelmente é um fã da Nintendo ansiosamente aguardando a mais recente adição à série Zelda, The Legend of Zelda: Breath of the Wild. Sua fé, queridos adoradores da Nintendo, não foi perdida, já que Breath of the Wild é uma adição fantástica à já poderosa série.

Breath of the Wild vê nosso aventureiro como um elfo acordar de um sono de 100 anos sem memória e Calamity Ganon governando Hyrule. A partir daqui, Link deve juntar as suas memórias, descobrir o seu verdadeiro propósito e tentar salvar o mundo e a Princesa Zelda. Se perder sua memória não foi ruim o suficiente, Link também deve libertar quatro gigantescas bestas divinas e atravessar um mundo aberto onde quase tudo é mortal.

Isso, é claro, marca a mudança mais significativa e positiva para a série de longa duração. Breath of the Wild pode ser o 19º jogo Zelda da série principal, mas é o primeiro a ser completamente aberto. Estar livre para vaguear pelos extensos (leia-se: esmagadoramente enormes) pastos de Hyrule é magnífico.

Quer se aprofundar em um santuário que você viu a quilômetros de distância? Você pode! Quer esquecer a missão principal e documentar tudo na sua câmera? Você pode! Quer falar com a aldeia local e completar missões secundárias? Você pode! Quer gastar todo seu tempo alimentando maçãs com seu cavalo? Você pode! As possibilidades parecem ilimitadas. E para aqueles que querem completar a missão principal, há uma quase-estrutura que exige muita exploração, mas quase sempre faz você sentir que está progredindo.

Um pouco sobre os santuários acima mencionados: ao contrário dos jogos anteriores de Zelda, onde cada caverna era pequena e distante, mas eram longos e desafiadores, o novo sistema significa que as cavernas são relativamente curtas, oferecendo um ou dois grandes desafios. No entanto, existem dezenas e dezenas espalhadas por toda a cidade de Hyrule, por isso a sua brevidade não importa, já que outro desafio aguarda ao virar da esquina. Importante, completando cada santuário recompensa um orbe: quatro destes você pode trocar por um recipiente de coração ou mais resistência. Você precisará atualizá-los mais cedo ou mais tarde, porque, adivinhe, você estará morrendo. Muito. Estamos falando dezenas e dezenas de vezes. É maravilhosamente desafiador.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top