Entretenimento

Charles Dickens: O homem que praticamente inventou o Natal plagiou Jesus

Todo mundo sabe a história de Scrooge, um homem tão mão de vaca que seu nome se transformou em um sinônimo de pão-durice na língua inglesa. A conversão de Scrooge de alguém super “manguinha” para “mão aberta” foi contada e recontada inúmeras vezes desde que o escritou Charles Dickens escreveu A Christmas Carol no outono e  inverno de 1843. Ebenezer é um personagem fabuloso, tão minuciosamente retratado e impressionante que ele ecoou nas histórias de Como o Grinch Roubou o Natal para o Seu uma vida maravilhosa.

A cultura pop absorveu tanto Dickens quanto sua história. Com o recém-lançado O Homem Que Inventou o Natal, Hollywood fez isso mais uma vez

Porém quem de fato era Scrooge antes de ele ser, bem, Christopher Plummer? A inspiração para o cara que odeia o Natal pode ter sido as pessoas que puseram o próprio pai de Dickens na cadeia do devedor e foram responsáveis ​​pelo jovem Charles que na época trabalhava em uma fábrica de sapatos.

Alguns pesquisadores de Dickens creem que a visita do autor, em 1843, à fuligem de Manchester, ou às “ruas negras de Londres” (como descreveu em carta a um amigo), o influenciou. Pode ser que a fábula fosse um lembrete moral de Dickens para si mesmo, enquanto ele balançava na ruína financeira. Esta é a teoria proposta no livro de Les Standiford no qual o filme deste ano é baseado.

Dickens de fato inventou o Natal, como sabemos? Hollywood pode pensar assim, mas outros, como David Parker em seu livro Christmas de 2005 e Charles Dickens, discordam veementemente.

Seja qual for a sua opinião, a sabedoria predominante é que A Christmas Carol não é particularmente religiosa. Como professora de estudos bíblicos na Universidade Concordia e também ministra luterana, tenho uma leitura diferente.

É verdade que a celebração da temporada que Scrooge descobre tem muito mais a ver com generosidade, reuniões de família e grandes aves cozidas do que a Natividade. Mas talvez aqueles que buscam referências bíblicas explícitas na história de Dickens estejam subestimando a habilidade do romancista vitoriano – e sua audácia. Talvez A Christmas Carol contenha uma alternativa à Bíblia, em vez de um simples empréstimo dela. E talvez seja esse o ponto.

Jesus, por outro lado, outro mestre contador de histórias, contou uma parábola que, despojada dos coletes ingleses, dos livros de contabilidade, do nevoeiro e das persianas de Dickens, poderia ser quase um espelho para A Christmas Carol:

“Era uma vez um homem rico. Um pobre homem chamado Lázaro vivia em seu portão, sem nada para comer. Lázaro morreu e foi levado pelos anjos para o lado de Abraão. O rico também morreu.

Segue-se, na narrativa de Jesus, uma troca entre o homem rico, atormentado, e Abraão, que atua como guardião do paraíso. É difícil não pensar no inocente Lázaro como um precursor de Tiny Tim.

Primeiro, o homem rico pede seu próprio alívio do inferno. Quando isso é negado, ele pede: “Eu imploro, mande Lázaro para a casa do meu pai. Eu tenho cinco irmãos. Deixe que ele os avise para que eles não cheguem a este lugar de agonia. ”Abraão responde:“ Eles têm Moisés e os profetas. Eles devem ouvi-los.

“Não, pai Abraão!”, Grita o homem rico: “Mas se alguém dentre os mortos se dirigir a eles, eles mudarão” (Lucas 16: 19-31).

Quase se pode ouvir as correntes do fantasma de Marley. O que teria acontecido se o pai Abraão tivesse dito sim? Algo muito parecido com uma versão do primeiro século de A Christmas Carol.

Não podemos esquecer que as pessoas do nosso passado ocidental de língua inglesa, especialmente artistas e escritores, estavam imbuídas de referências e idéias bíblicas. Como Northrop Frye, entre outros, argumentou, eles viveram e criaram em um mundo moldado pelos ritmos, narrativas, imagens e concepções (ou equívocos) da Bíblia King James.

Dickens estava familiarizado com as escrituras cristãs? Todas as evidências apontam para o fato de que ele estava mais familiarizado do que a maioria. Apesar de uma antipatia pela religião organizada, de 1846 a 1849, Dickens escreveu uma pequena biografia de Jesus para seus filhos, intitulada A Vida de Nosso Senhor.

Ele proibiu que seu pequeno relato da vida de Jesus fosse publicado, até que ele e seus filhos também tivessem morrido. A “Parábola de Lázaro e o Homem Rico” foi uma das oito histórias de Jesus que Dickens escolheu incluir naquele volume. Mas em sua história de Scrooge, Dickens era muito escritor para deixar a parábola de Jesus como é, e sua idade muito desconfiada das escrituras para deixá-lo “ininterrupto”.

Uma canção de Natal une a deliciosamente horrível sensibilidade do movimento gótico ao estilo narrativo poderosamente simples, unido à preocupação moral, típica das parábolas.

Dickens talvez estivesse cochilando em algum domingo enquanto o reitor continuava a falar sobre Lázaro, até que ele acordou sonhando com Scrooge? Nós nunca saberemos. Mas é uma possibilidade intrigante.

Surpreendentemente, no domingo depois que Dickens foi enterrado na Abadia de Westminster, o reitor Arthur Penrhyn Stanley, pregando exatamente sobre esse texto, falou de Dickens como o “parabler” de sua época. Stanley disse que “por [Dickens] esse véu foi separado, dividindo as várias classes da sociedade. Através de seu gênio, o homem rico … foi feito para ver e sentir a presença de Lázaro em seu portão. ”

Eu iria mais longe: Dickens pegou a parábola, depois a recontou e mudou, para que o homem rico tenha uma segunda chance. Como uma figura social privilegiada que passou por dificuldades financeiras e que se importava com o próprio pobre, Dickens adaptou Jesus livremente para inventar uma história que, em última análise, é mais sobre amor do que sobre julgamento.

Quando confrontado com o espectro de Marley, Scrooge, enervado mas impenitente, aborda a aparição: “Você pode ser um pedaço não digerido de carne bovina, um borrão de mostarda, uma migalha de queijo, um fragmento de batata mal passada.”

O perceptivo leitor (ou espectador) de A Christmas Carol pode apontar o dedo para o fantasma de Marley e acrescentar: “Ou talvez você seja um riff irônico, mas cheio de esperança em Jesus, de um autor famoso do século 19 que queria escrever seu próprio história de redenção.

Dickens não apenas inventou esse gênero de Natal, mas imaginou um final feliz para si mesmo nele. Ele escreveu uma história duradoura sobre a segunda chance que até mesmo uma pessoa rica pode receber, se assombrada por fantasmas persistentes o suficiente.

Fonte: The Independent

Graduada e Mestre em História. Faço parte da equipe de redação do portal TV É Brasil. Além de professora e historiadora, sou redatora web freelancer/autônoma. Uma verdadeira amante da cultura, arte e entretenimento.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top