Economia

Imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA pode ser adiada por Trump

imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA

Com efeito, espera-se que o presidente dos EUA, Donald Trump, adie a decisão realizar a imposição de tarifas sobre carros e peças importadas em até seis meses, disseram à Reuters funcionários do governo Trump, evitando abrir mais uma frente em suas batalhas comerciais globais contra a China.

A imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA

A priori, um anúncio formal é esperado até sábado, data marcada para Trump tomar uma decisão sobre as recomendações do Departamento de Comércio para proteger a indústria automobilística americana das importações por motivos de segurança nacional, disseram os funcionários.

Em outras palavras, o presidente americano pode em breve decidir ou sobre sobre a imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA.

Outrossim, um porta-voz da Casa Branca se recusou a comentar.

Ademais, eles acrescentaram que o governo elaborou uma linguagem para adiar formalmente uma decisão sobre a imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA. A mesma deve ser entregue até 18 de maio.

A Reuters informou na semana passada que as montadoras esperavam que Trump atrasasse a decisão. Isso por que as negociações comerciais estão em andamento com a União Européia e o Japão.

A discussão sobre os impactos da imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA

Além disso, a General Motors, a Volkswagen, a Toyota e outros alertaram para os impactos negativos da imposição de tarifas de carros e peças importadas nos EUA em até 25%.

Posteriormente, a Casa Branca realizou uma série de reuniões de alto nível sobre a questão nos últimos dias. Autoridades do governo disseram repetidamente às montadoras que planejam adiar a decisão.

Em fevereiro, o Departamento de Comércio apresentou seu relatório de segurança nacional “Seção 232” à Casa Branca. De fato, a agência estava investigando se as importações prejudicaram a segurança nacional dos EUA ao enfraquecer a capacidade das montadoras americanas de investir em tecnologias futuras. Aliás, as recomendações específicas do Departamento de Comércio não foram reveladas.

Uma série de anúncios da GM na última semana de investimentos de US $ 700 milhões em três fábricas de Ohio e os esforços para vender a fábrica de Lordstown deixaram Trump mais inclinado a adiar a imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA.

A tarifação de importados e a guerra comercial EUA x China

Ao mesmo tempo, Trump intensificou sua guerra comercial com a China, aumentando drasticamente as tarifas de US $ 200 bilhões em produtos chineses e lançando consultas públicas sobre as importações chinesas remanescentes de cerca de US $ 300 bilhões.

As tarifas de automóveis enfrentam ampla oposição no Congresso. A Casa Branca se recusou a entregar o relatório do Departamento de Comércio ao senador republicano Chuck Grassley, presidente do Comitê de Finanças do Senado, que vem exigindo vê-lo.

Na semana passada, 159 membros da Câmara dos Representantes, liderados pelo vice-presidente do Comitê de Meios e Terras, Terri Sewell, escreveram ao diretor Larry Kudlow, da Casa Branca, que aconselha Trump a “impor restrições comerciais que poderiam prejudicar o setor automotivo e a economia americana”.

A carta de 79 democratas e 81 republicanos, vista pela Reuters, alertou que a imposição de tarifas sobre carros e peças importadas nos EUA “pode se sobrepor a motocicletas, veículos recreativos, equipamentos de construção, caminhões pesados, equipamentos agrícolas, veículos esportivos e outros”.

As justificativas 

Funcionários do governo disseram que as ameaças tarifárias nos automóveis são uma maneira de obter concessões do Japão e da UE. No ano passado, Trump concordou em não impor tarifas, desde que as negociações com os dois parceiros comerciais estivessem ocorrendo de maneira produtiva.

A indústria diz que tarifas de até 25 por cento em milhões de carros e peças importadas adicionariam milhares de dólares aos custos dos veículos e potencialmente levariam a centenas de milhares de perdas de emprego em toda a economia dos EUA.

“O caso permanece claro – os carros não são uma ameaça à segurança nacional”, disse a Alliance of Automobile Manufacturers, um grupo comercial que representa a GM, VW, Toyota e outros produtores, em um comunicado. “Estamos profundamente preocupados que a administração continue a considerar a imposição de tarifas de automóveis”.

Um relatório de pesquisa da indústria automobilística divulgado no ano passado estimou que os preços dos veículos leves aumentariam em US $ 2.750 em média, incluindo veículos construídos nos EUA, reduzindo as vendas anuais dos EUA em 1,3 milhão de unidades e forçando muitos consumidores ao mercado de carros usados.

Clique para comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

To Top